O saneamento no
BRASIL E NO MUNDO

O cenário do saneamento é um grande desafio não apenas no Brasil, mas em boa parte do mundo. O último relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas (UNICEF) afirmou que 4,5 bilhões de pessoas no mundo ainda não possuem acesso a um banheiro, o que significa que uma em cada quatro pessoas pessoas continuam a fazer suas necessidades fisiológicas ao ar livre, uma prática muito problemática, por representar um foco contínuo de doenças e de contaminação da água.

Em mais de 89 países, o progresso rumo ao saneamento básico ainda é muito lento, o que torna pequena a chance de seus habitantes alcançarem a cobertura universal em 2030 (meta estabelecida pela ONU para tanto) caso o setor continue operando da mesma forma e mantendo os níveis históricos de investimento.

Em mais de 89 países, o progresso rumo ao saneamento básico ainda é muito lento, o que torna pequena chance de deus habitantes alcançarem a conertura universal em 2030 caso o setor continue operando da mesma forma e mantendo os níveis históricos de investimento.

No Brasil, 35 milhões de pessoas ainda não tem acesso à água potável e mais de 100 milhões de brasileiros não tem acesso á coleta de esgoto, sendo que, das 100 maiores cidades brasileiras que fazem tratamento do esgoto, apenas 10 delas tratam acima de 80% do esgoto coletado.

Segundo o Plano Nacional de Saneamento Básico ( PLANSAB), o custo estimado para universalizar o acesso aos quatro serviços de saneamento (água, esgoto, resíduos e drenagem) no Brasil é de R$ 508 bilhões, no período de 2014 a 2033, o que representa uma média de investimento anual muito acima do que tem sido verificado nos últimos anos (investimento anual médio no período 2007-2016: R$ 11,7 bilhões - base 2016)

Os maiores investimentos em saneamento básico (água e esgoto), gurante os últimos três anos, ocorreram nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e Bahia, totalizando 63,3% de todo o investimento realizado no periodo. Já os estados do Amazonas, Acre, Amapá, Alagoas e Rondônia foram os que menos investiram ao longo dos últimos três anos, totalizando 1,7% apenas do investimento total verificado no setor.

Confira outros dados importantes sobre saneamento no Brasil e no mundo.

No Brasil

48% de pessoas sem acesso á coleta de esgoto

Mais de 3,5 milhões de brasileiros despejam esgoto de forma irregular

Mais de 13 milhões de crianças e adolescentes sem acesso ao saneamento básico.

3,1% das crianças não tem sanitário em casa.

Apenas 45% do esgoto coletado no país é tratado.

No Mundo

82% da população urbana tem acesso ao saneamento, contra 51% da população rural.

7 pessoas em cada 10 vivem sem saneamento adequado.

13% da população mundial ainda não possui acesso a um banheiro.

Em alguns países menos desenvolvidos 49% das escolas não tem acesso á água e 53% não têm acesso a instalações sanitárias.

Para alcançar a meta estabelecida no Plano Nacional de Saneamento Básico (PLANSAB) em 2033, o Brasil precisará contar com a participação de novos atores no setor, assim como de novas soluções tecnológicas que barateiem o serviço para a população e contribuam para a redução dos desperdícios, que atualmente atingem os níveis recordes de 37% de perda de água ao longo de todo o percurso, desde a coleta até o abastecimento da população

Fontes:

http://tratabrasil.org.br/saneamento/principais-estatisticas/no-brasil/universalizacao

https://nacoesunidas.org/onu-45-bilhoes-de-pessoas-nao-dispoem-de-saneamento-seguro-no-mundo/

https://g1.globo.com/economia/noticia/apenas-4-cidades-do-brasil-atingem-nota-maxima-em-ranking-de-acesso-a-saneamento-basico.ghtml

http://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2018-08/universalizacao-do-saneamento-no-pais-economizaria-r-14-bi-por-ano